Autoridades de saúde investigam suspeita de febre amarela em João Pessoa
29/01/2018 - 15h12 em Saude e Bem Estar

Rapaz é paraibano e viajou para São Paulo sem tomar a vacina, segundo secretário de saúde da capital.

Um caso suspeito de febre amarela está sendo investigado em João Pessoa, a informação foi divulgada na manhã desta segunda-feira (29) pelo secretário de saúde de João Pessoa, Adalberto Fulgêncio.

De acordo com o secretário de saúde, o rapaz com suspeita de ter contraído febre amarela é de João Pessoa, mas viajou recentemente para São Paulo, que é zona endêmica da doença e não teria se imunizado antes da viagem.

"O rapaz mora em João Pessoa, estuda em São Paulo, ele viajou para São Paulo próximo do natal por volta de 20 ou 21 de dezembro, não procurou o nosso Centro de Imunização, não estava vacinado contra febre amarela. Ele voltou mais ou menos depois de um mês, sentiu-se mal procurou a UPA em um primeiro momento, e depois procurou em um segundo momento com sintomas mais agravados", disse o secretário.

Segundo Adalberto Fulgêncio, os sintomas que o rapaz sentiu são muito semelhantes aos sintomas da dengue e que a Vigilância Ambiental já identificou o local onde o rapaz mora e está fazendo vistorias no local, procurando focos de Aedes aegypti. O secretário enfatizou que não está de forma nenhuma confirnado que o rapaz está com febre amarela.

A assessoria do Hospital Universitário Lauro Wanderley confirmou que o jovem está internado na unidade, no setor de Doenças Infecto Parasitárias (DIP) passando por exames, mas que não há um diagnóstico do caso dele ainda.

Ainda conforme o secretário, amostras do sangue do rapaz foram cometadas e enviadas para um laboratório em Belém, onde é realizado o diagnóstico preciso.

 

"As UPAS estão preparadas para fazer exames preliminares, para coletar amostras e identificar a doença, e quem for viajar especialmente para São Paulo, Minas Gerais e interior do Rio de Janeiro, voltando para João Pessoa e apresentar sintomas, como sintomas de dengue, a gente pede todo o estudo. Estamos acompanhando esse caso, os hospitais públicos e priivados de João Pessoa, estão orientados para qualquer suspeita procurar nossa vigilância", finalizou o secretário Adalberto Fulgêncio.

Fonte:https://g1.globo.com

COMENTÁRIOS